28 de outubro de 2016

Estudo mostra que o cérebro se acostuma a contar mentiras!

Mentirinhas tendem a se tornar maiores, pois sentimento negativo se reduz.

RIO — “A mentira é como uma bola de neve; quanto mais rola, mais cresce”. O dito popular, atribuído a Martinho Lutero, tem agora uma explicação científica. Pesquisadores da Universidade College London, na Inglaterra, descobriram que o ato de contar mentiras, mesmo as pequenas que parecem inofensivas, acostuma o cérebro às emoções negativas associadas e, com o tempo, pode encorajar as pessoas a contarem mentiras maiores.
— Os exemplos estão em todo o lugar, seja nas fraudes políticas ou financeiras ou na infidelidade — disse Tali Sharot, coautora do estudo publicado nesta segunda-feira no periódico “Nature Neuroscience”.
Tali e seus colegas se questionaram se o cérebro se acostuma com as mentiras, da mesma forma que acontece com o horror gerado por uma imagem violenta se ela for vista várias vezes. Normalmente, as pessoas se sentem culpadas por mentir, mas será que este sentimento desaparece com a prática? Aparentemente, a resposta é sim.
O estudo envolveu 80 voluntários, que participaram de um experimento que os encorajava a mentir, enquanto a atividade cerebral era monitorada. Basicamente, cada pessoa recebia um jarro com diferentes quantidades de moedas, e deveria enviar uma estimativa do valor no pote a um parceiro em outra sala, que via apenas uma imagem borrada do jarro e precisava acertar a quantia com base nas estimativas que recebia.
No primeiro cenário, foi dito aos participantes que quanto mais correta fosse à estimativa, melhor seria para o voluntário e o parceiro na outra sala. Dessa forma, seria benéfico para ambos enviar uma estimativa verdadeira. Mas em outros cenários, respostas erradas beneficiavam os voluntários em detrimento dos parceiros, e quanto maior fosse o erro, maior seria a recompensa.

Resposta cerebral diminui
Os pesquisadores perceberam que as pessoas começaram a fornecer estimativas com um pequeno erro, e o ato de contar essas mentiras provocavam uma forte atividade na amígdala cerebelosa, região do cérebro associada com a emoção. Mas com o tempo, a margem de erro na estimativa aumentava, enquanto a resposta da amígdala diminuía.
— Quando você rouba ou mente em seu próprio benefício, você se sente mal — disse Sophie van der Zee, da Universidade Livre de Amsterdã, na Holanda, à revista “New Scientist”. — Mas quando você continua mentindo, esse sentimento desaparece então você está mais disposto a mentir novamente.
A correspondência entre a mentira e os efeitos na amígdala era tão forte que os pesquisadores puderam usar os resultados do monitoramento cerebral para prever qual seria o tamanho da próxima mentira. Para Neil Garret, coautor do estudo, ficou claro que “atos repetidos de desonestidade refletem numa redução da resposta emocional para esses atos”.
— Isso está de acordo com a nossa sugestão de que a amígdala sinaliza aversão a atos que consideramos errados ou imorais — disse Garret. — Nós testamos apenas a desonestidade nesse experimento, mas o mesmo princípio talvez seja aplicável ao escalonamento de outras ações, como comportamento de risco e violência.

Fonte da reportagem: Jornal O Globo – 24/10/2016.            

Nenhum comentário: