5 de junho de 2017

Vacinação salva, menos nas redes sociais!

Nem sempre podemos construir o futuro
para nossa juventude, mas podemos
construir nossa juventude para o futuro.
Franklin D. Roosevelt

É sabido por todos que o advento da internet aproximou pessoas, facilitou a execução de tarefas e atividades na nossa vida profissional e pessoal. Suas vantagens vão muito além da nossa compreensão e nos permite viver num mundo mais ágil e moderno.
Com a internet, foram disponibilizadas as famosas redes sociais, onde as pessoas ao redor do mundo conseguem interagir, se conhecerem, divulgarem suas ideias, fotos e muito mais. Isso com certeza aproximou familiares que viviam distantes, possibilitou um contato rápido e atualizado de cada perfil postado.
Entretanto, em particular no Brasil, esse avanço veio seguido de alguns graves problemas. Na internet, crimes de fraudes, roubos de identidades, uso indevido de CPF, golpes comerciais, abertura de sites inexistentes e a divulgação de mentiras que de tanto serem postadas acabam se tornando verdades aos olhos de alguns participantes incrédulos, ou com falta de um melhor discernimento.
Nem vou me ater às postagens sobre política onde a ignorância e o ódio escorre entre as imagens e as palavras no Brasil. Mesmo sem lerem, sem estarem informados devidamente e terem o domínio do assunto, algumas pessoas destilam veneno e transmitem mentiras perigosas.
Uma notícia falsa pode gerar problemas sérios, como aconteceu certo dia na cidade de Guarujá no litoral sul de São Paulo. Uma mulher foi morta a pauladas, confundida com outra pessoa através das páginas do Facebook sem que ambas tivessem cometido algum crime. A polícia após apurar o ocorrido, percebeu que houvera uma postagem falsa denunciando alguém que se parecia com a moça inocente que morreu na rua daquela cidade.
Tudo falso, menos a dor daquela família que perdeu seu ente numa emboscada de vândalos adeptos da ignorância e do ódio de uma ferramenta (Facebook) que não foi criada para esta finalidade criminosa.
Recentemente, li um texto que falava sobre algumas mães (e não são poucas), que leram no Facebook, posts que davam conta que as vacinas ministradas as nossas crianças continham substâncias que poderiam causar danos às mesmas. Tudo mentira obviamente, maldade sem limites de gente desqualificada que posta coisas acreditando justamente na ingenuidade dos frequentadores das redes sociais.
O pior, ao não vacinar seus filhos, permitem que as doenças retornem e possam até se transformar em epidemias. Algumas dessas doenças que são consideradas erradicadas podem voltar e prejudicar em dobro aqueles que acreditam nessas sandices.
Para se prevenir, não repasse nada sem antes fazer uma rápida pesquisa na mídia, no Google, ou com amigos que dominem o assunto em questão. Evite dar aos ignorantes maledicentes a chance de triunfarem em detrimento da verdade que sempre deve ser preservada.

Nenhum comentário: