4 de outubro de 2016

Uma breve análise sobre as eleições municipais!

Numa época de dissimulação, falar
a verdade é um ato revolucionário.
George Orwell

A eleição municipal foi realizada e seus resultados começam a propiciar diversas análises em todo quadro político partidário nacional. Das noventa e duas cidades com mais de 200 mil eleitores, cinquenta e cinco delas terão o segundo turno em 30 de outubro próximo.
Neste primeiro turno, o PMDB, apesar de todo desgaste com o envolvimento de muitos de seus lideres em ações de corrupção da Operação Lava Jato, teve um desempenho que o levou a obter o maior número de prefeituras no país. Ao todo, o partido do Presidente Temer conquistou 1.028 cidades, o que não deixa de ser incrível, visto que, esteve ao lado do PT desde 2002.
Em segundo lugar veio o PSDB, que conquistou 793 municípios dando um bom salto em relação a sua performance de 2012. Logo atrás em terceiro e quarto lugar aparece o PSD com 539 e o PP com 496 prefeitos eleitos.
O grande derrotado com certeza foi o PT, que em 2012 havia alcançado 630 municípios e neste pleito caiu para 256. Essa queda era previsível depois de todo processo desgastante de impeachment e o desenrolar da operação Lava Jato, cujo foco sempre foi restrito ao seu partido, deixando ao menos por enquanto de incriminar os demais partidos envolvidos em denúncias e delações.
Dentre os cinco partidos que estrearam nestas eleições, destaque para o Solidariedade com 61 prefeituras conquistadas. Os demais partidos conseguiram 121 prefeituras somadas as suas participações.
Um fato negativo foi à elevada quantidade de votos nulos, brancos e abstenções em todo território nacional, cerca de 28,9%, do eleitorado. Na cidade de São Paulo, 21,84% deixaram de comparecer as urnas. O percentual de votos nulos representaram 11,35% e os votos em branco foram de 5,29%. Para o leitor ter uma ideia do que esses percentuais representam o vencedor da eleição Dória Jr., obteve 3.085.000 milhões de votos enquanto que 3.096.000 milhões declinaram de escolher um candidato.
No que tange a eleição para vereadores o PMDB conseguiu 7.571 vagas, seguido do PSDB com 5.371, PP 4.746 e PSD 4.639 eleitos. O PT elegeu 2.808 vereadores, ficando muito abaixo dos demais partidos considerados como força política no cenário nacional. Na metade das capitais onde havia candidatos tentando a reeleição, os eleitores os reprovaram e não deixaram que cumprissem seus segundos mandatos.
Neste primeiro momento, a mídia deu grande destaque a vitória do até então desconhecido João Dória Jr. Que concorreu com o PSDB de Geraldo Alckmin em São Paulo. Com sua vitória no primeiro turno, começaram a especular a possível candidatura do governador à presidência em 2018.
Este cenário já conhecido dos eleitores paulistanos poderá levar pela segunda vez a um ato que eu chamo de estelionato eleitoral. Explico: Se Alckmin confirmar sua candidatura à presidência, Dória poderá após um ano de Prefeitura sair como candidato ao governo do Estado de SP, assim como o fez José Serra em 2006.
Portanto, aquele que vai governar o município por três anos (2018 a 2020) será o vice-prefeito Bruno Covas. O paulistano que votou em Dória terá seu vice como prefeito, algo que muito provavelmente não foi motivo de análises mais profundas antes do voto. Os eleitores votam no candidatos esperando que eles ao menos cumpram seus mandatos.
Com o término do segundo turno em 30/10/16, mais 55 prefeitos serão conhecidos e pouco vão alterar o quadro político nacional. Agora, o tabuleiro para as eleições de 2018 já começam a ser movidos lentamente a partir de janeiro de 2017 com a posse dos novos prefeitos e vereadores.

Nenhum comentário: