15 de novembro de 2015

Os prejuízos que jamais serão ressarcidos em Mariana-MG!

A tortura de uma consciência
 culpada é o inferno do ser vivo.
John Calvin
Uma avalanche de lama e detritos cobriu a cidade mineira de Mariana matando várias pessoas e desabrigando milhares de moradores que perderam tudo, moradia, pertences e documentos. Da noite para o dia eles tiveram suas vidas jogadas à lama literalmente. Ainda há desaparecidos e as vitimas podem aumentar esta estatística inicial.
O rompimento de barragens da Samarco - empresa do grupo Vale do Rio Doce e da BHP empresa australiana, além da destruição das casas em Mariana, das mortes provocadas ainda vai destruir muita coisa rio abaixo. O avanço da lama pode chegar a um raio de 100 quilômetros afetando dezenas de cidades e Minas Gerais e até do Espírito Santo.
Existe o risco de desabastecimento dos serviços de água aos moradores de mais de quinze cidades de MG e ES. Sem contar a destruição sem precedentes do meio ambiente naquela região.
As empresas envolvidas se declaram inocentes, dizem que tudo estava funcionando de acordo com as leis e que as barragens haviam sido fiscalizadas recentemente. Isso tudo é balela, se tudo estivesse funcionando adequadamente nada poderia justificar o rompimento das barragens.
A verdade é que as vitimas jamais vão conseguir recuperar na Justiça tudo o que perderam de bens materiais. As mortes poderão ser cobertas por seguros, porém a reconstrução das cidades afetadas e das casas e comércios devastados pela lama nunca serão pagos as vítimas.
No Brasil sempre que uma tragédia como essa acontece, o máximo que o governo federal faz é dizer que libera o recurso do FGTS (Que é da pessoa) para que ela saque e se vire. Caso não tenha FGTS está na rua da amargura e sem auxilio algum das autoridades brasileiras.
As empresas vão fingir prestar solidariedade por alguns dias após a tragédia, em seguida providenciarão que os processos abertos sejam o mais lento possível para serem julgados. Assim foi com o Bateau Mouchê, Desabamento dos Prédios no RJ, Queda de Shopping Center, etc.
O povo pobre, sofrido, terá de recomeçar do zero, sem nada no bolso, sem auxílio oficial, contando quando muito com a solidariedade do povo mineiro e brasileiro em geral.
Na hora de recolhermos impostos o governo municipal, estadual e federal são rápidos e mantém tudo informatizado para que não falte um centavo em seus cofres. Porém, quando o cidadão ou uma cidade inteira precisam de retorno, recebem um não bem grande na face.
As empresas exploram as riquezas do nosso solo e subsolo e destroem a natureza, provocam desastres como este em Mariana e não tem com o que se preocupar. O governo e as autoridades estão ao seu lado, muito ao contrário do povo que é tratado como lixo, como se fossem inimigos deles.
O tradicional sobrevoo da área da tragédia já foi feito pelo Governador de MG e por um Ministro. Toda tragédia alguém faz isso para depois dizer que o governo federal irá repassar um recurso que jamais chega ao seu destino.
Então você percebe que o governo federal faz duas coisas quando acontecem tragédias que matam, desabrigam muitas pessoas no Brasil: Liberar o FGTS delas próprias e sobrevoar a área afetada. A Justiça faz o quê? Empurra com a barriga assim como está fazendo no caso da Casa Noturna de Santa Maria da Serra – RS.

Nenhum comentário: