13 de agosto de 2015

Uber e o Netflix: Os incomodados que se mudem ou se adaptem rápido!

Estamos vendo nas últimas semanas mercados que se achavam "consolidados" iniciando o seu processo de reconstrução. Os taxistas tentando de tudo para acabar com o Uber, de lobby político a  agressão verbal e física, e recentemente os executivos de TV por assinatura no Brasil começam a reclamar do Netflix, já que o modelo de streaming não tem a mesma carga de impostos.
Porém, o real motivo é que a TV por assinatura está prevendo perda de audiência e consequentemente de receita enquanto ver a Netflix ter um faturamento estimado de no mínimo 500 milhões de reais no Brasil com um modelo de negócio totalmente novo que não necessita vender R$1,00 de publicidade. Tal faturamento coloca a Netflix no mesmo tamanho ou maior que a  TV Bandeirantes, a quarta maior emissora aberta em apenas quatro anos de operação.
E o que podem fazer os taxistas e as emissoras de TV e outros segmentos como agências de viagens, revistas e tantos outros para evitar o colapso?
Adaptação é a palavra de ordem é necessário encontrar o  caminho no ambiente digital de seus negócios, e está não é parte mais difícil, o que realmente atrapalha é o medo da mudança, é este medo que coloca tudo a perder e que favorece os novos modelos de negócio. 
Em momentos como esses de grandes mudanças e quebra de paradigmas, o foco daqueles que precisam se adaptar precisam estar em dois pontos:
1.   Competências e habilidades já adquiridas 
2.   Usuário / consumidor final 
Manter o foco nas conquistas que realmente agregam valor ao consumidor final é um excelente ponto de partida, no caso dos taxistas eles têm uma série dessas conquistas, vamos listar duas e comentar um pouco como isso pode fazer toda a diferença e oferece uma vantagem frente ao Uber: 
Quantidade de carros disponíveis: O Uber precisa construir a sua rede de carros enquanto os taxistas já há têm! Não é possível oferecer um serviço de locomoção em massa sem ter veiculo disponível, se compararmos hoje a frota que atende Uber é infinitamente menor que a de taxi. 
Localização: Os taxistas já estão nos melhores locais da cidade. O Uber ainda não tem esta capilaridade, os taxistas com certeza na maioria das vezes podem chegar primeiro aos clientes. Ninguém quer ficar esperando o que todos querem é agilidade, querem chegar logo ao destino. 
Perceba que com estas duas vantagens de exemplo os taxistas precisam apenas se organizar e manter o foco nos pontos certos e irão tornar a vida do Uber muito mais difícil, porém é claro que o Uber tem uma série de vantagens e a principal é estar focado totalmente em facilitar a vida do usuário e ela encontrou no Brasil um cenário na qual taxistas estão indo no caminho contrário ao de facilitar a vida do cliente, quem nunca ficou desconfiado ou foi enganado por um taxista que andou um pouco há mais? E os preços dos taxis que saem dos aeroportos? 
Para os canis de TV's é necessário fazer a mesma reflexão, será que os usuários estão felizes? Que valor que a Netflix gera para o cliente que os canais fechados não conseguem? Será que o modelo de negócio atual é sustentável em longo prazo? 
O fato é que muitos mercados a mudança já aconteceu, outros vêm mudando e muitos outros vão mudar não têm como fugir disso, para se manter saber se adaptar é vital, caso o contrário os incomodados terão que se mudar!  
Mantenha o foco primeiro nas competências que a sua empresa / segmento já conquistou e pare de pensar por um instante no que ainda não têm, veja quais competências geram valor para o usuário e depois repense ou até recrie se necessário o serviço ou produto com foco total no cliente.

Texto de Galileu Prezzotto publicado no site www.linkedin.com
Imagem original postada no Site da Série House of Cards.

Nenhum comentário: