25 de julho de 2015

Racismo na Unesp - Bauru!

Ninguém nasce odiando outra pessoa
pela cor de sua pele, por sua origem
ou ainda por sua religião. Para odiar,
as pessoas precisam aprender,
e se podem aprender a odiar,
elas podem ser ensinadas a amar.
Nelson Mandela


Não existe explicações que justifiquem a prática do racismo em qualquer parte do mundo civilizado. Em particular no Brasil, ele se torna ainda mais ignóbil e sem sentido, na medida em que nosso povo é fruto de uma miscigenação que incluí em seu DNA a raça negra oriunda da África.
Não bastasse isso, durante muitos anos nossa sociedade foi elogiada justamente por ser um raro exemplo de coletividade que respeitava e convivia com raças diferentes, amava povos que no exterior estavam em guerra (Árabes e Judeus) e não oprimia nem hostilizava pessoas de raças, credos e ideologias diferentes.
Pelo visto, essa fase acabou e aos poucos surgem novas gerações dentro do seio da sociedade brasileira que se caracterizam pela intolerância racial, pela falta de respeito para com o ser humano e com um grau elevado de preconceito em diversas áreas da vida comum.
Nesta semana (Julho/15) ficamos sabendo de um ato que ocorreu no Campus da Universidade Estadual Paulista - UNESP que entristeceu e preocupou a todos que tem discernimento para entender o quão grave são estes atos que a sociedade deve repudiar e a Justiça punir com o máximo rigor das leis.
Para que o leitor possa entender reproduzo trecho do que ocorreu e ao final do texto disponibilizo link com a matéria completa feita pelo JC de Bauru:
“UNESP cheia de macacos fedidos”, “Negras fedem” e “Juarez Macaco”. Essas foram algumas das frases lamentáveis que surgiram entre a manhã e tarde de 24/07/15 em dois banheiros da UNESP em Bauru. O caso chocou alunos e professores do campus pelo conteúdo racista e de ódio que estava grafado em paredes e portas do banheiro masculino e feminino, localizados próximos ao departamento de Comunicação Social da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC). As mensagens seriam destinadas aos alunos negros e a um professor do curso de jornalismo do campus.
O Brasil está regredindo em vários segmentos no que diz respeito a vários assuntos, a falta de uma educação proveniente dos lares e a ausência de melhorias na Educação em salas de aulas, contribuem para que questões como estas se agravem.
A impunidade crescente no país também pode ser apontada como motivadora e facilitadora para que pessoas predispostas a cometer estes crimes raciais e de injúrias se multipliquem à sombra das leis.
Em respeito ao Professor Juarez Tadeu de Paula Xavier, ser humano da melhor qualidade, inteligente, atencioso e extremamente profissional e de todas as demais pessoas atingidas este Blog envia sua solidariedade e o desejo que coisas nocivas como estas jamais venham a esmorecê-los em suas lutas pela igualdade, pela dignidade humana no campo pessoal e profissional.

http://www.jcdigital.com.br/flip/Edicoes/16539%3D25-07-2015/004.PDF

Nenhum comentário: