13 de maio de 2015

Uma forma disfarçada de nepotismo!

“Só o erro é que precisa apoio do governo.
A verdade, essa fica de pé por si própria”.
Thomas Jefferson

O recém-empossado Ministro dos Esportes, homem de Deus, pastor licenciado da igreja Universal do Reino de Deus, nem bem completou seis meses no seu cargo e já possui um deslize que o coloca entre os políticos que chamamos de “Mais do mesmo”, pois sempre cometem os mesmos atos que contrariam a probidade administrativa desejada e que é inerente ao cargo que ocupam.
O Ministro nomeou uma menina de 18 anos, sem experiência profissional alguma, para ser Coordenadora de Infraestrutura da Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento com salário inicial de R$ 4.700,00 (Quatro mil e setecentos reais).
A jovem nomeada em 17/04/15, chama-se Waleska Bondade Lima e é filha do pastor Wagner Lima com a obreira Cristiane Bondade, ambos da Universal do Reino de Deus. Quanta “bondade” há no coração profissional e ético do ministro George, chego às lágrimas.
Além da jovem Bondade, o ministro também nomeou este mês a jovem que se apresenta como modelo e se chama Cibele Mazzo como Assessora da Secretaria Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos dos Torcedores. Ela foi contratada na cota pessoal do Secretário Nacional, Rogério Hamam (PRB-SP) e vai receber 8.554,70 (Oito mil, quinhentos e cinquenta e quatro reais e setenta centavos).
No seu site particular a modelo mantém em seu perfil profissional o interesse em trabalhos na área de figuração, novelas, apresentadora de televisão, fotos e comerciais. Muito apropriado digamos para aquilo que foi nomeada.
Ambas nunca trabalharam com esportes, nem possuem quaisquer resquícios de alguma experiência que pudessem aliviar o fato de que foram colocadas em cargos por nepotismo e politicagem da pior espécie. Algo “normal” no Poder Executivo em todas as suas instâncias.
Por isso que os chamados Cargos de Confiança precisam ser reduzidos a três ou quatro por governo, tirando dos nefastos políticos a possibilidade de loteamento, que leva ao nepotismo, a incompetência e a posse de pessoas despreparadas para os cargos que ocupam.
Que pena que nem os chamados deputados religiosos, que foram eleitos para defender a moral, a ética, sejam agora os primeiros a chafurdarem na mesma lama nojenta que os seus colegas deputados ateus estão acostumados.
As jovens a rigor não têm culpa, apesar de que poderiam ser honestas e não aceitarem o que seus papais conseguiram junto ao ministro, mas o valor do salário é tão alto para o padrão do país que elas são levadas pela ganância e oportunismo característicos neste meio.
Reforma Política? Fora PT? Não, precisamos na verdade de uma profunda reforma moral, ética, que comece nos lares brasileiros, dê continuidade em salas de aula bem estruturadas e leve a formação de uma nova geração de brasileiros que não tolerem desonestidade independentemente de quem a pratique.

PS: Após a divulgação da reportagem na mídia a jovem de 18 anos pediu demissão. Para mim não importa, o estrago já estava feito.

2 comentários:

Viana Visão Viana disse...

Só uma definição!
É muita safadeza, faço questão de não mim envolver com políticos religiosos.Mas a realidade só trouxa não ver. Imorais usa a ingenuidade dos menos esclarecidos, em proveito próprio.Vermes

Naldo disse...

Em relação ao nepotismo, não podemos esquecer do "nepotismo cruzado" aquele entre os TCUs a Assembleias legislativa, Ministério Público Estaduais e os Tribunais de Justiça Estaduais.
Por exemplo podem vasculhar que tem parentes por todos os lados..