9 de julho de 2014

Eu já sabia, Felipão!

Podeis enganar toda a gente durante certo tempo;
podeis mesmo enganar algumas pessoas todo o tempo,
mas não vos será possível enganar sempre toda a gente.
        
 Eu já sabia antecipadamente por quê? Simples, fácil e na seguinte ordem:
11.   Felipão ganhou a Copa/2002 e depois disso não se reciclou, parou no tempo, foi conquistar algo apenas na Copa das Confederações. Usou praticamente os mesmos métodos em 2014;
22.    Ao seu lado a CBF colocou o dinossauro Parreira, que vem ocupando espaço na Seleção desde 1970, quando foi membro da Comissão Técnica na Preparação Física;
33.   A Copa das Confederações tinha Uruguai, Itália e Espanha com seus times envelhecidos e vence-los foi muito ruim para nossa seleção, pois a Comissão Técnica, jogadores, parte considerável da torcida e a imprensa esportiva inteira imaginaram que o time era imbatível e perfeito, só que não;
44.   Logo, manter praticamente a mesma convocação para a Copa do Mundo foi um erro crasso de Felipão. Ele não se preocupou em testar novas opções, tanto é que antecipou generosamente algumas convocações com meses de antecedência;
55.   Alguns jogadores medianos foram transformados em craques como Oscar, William, Hulk (Apenas esforçado), Jô, Fred, Ramires, entre outros. Havia opções tanto no Brasil como no exterior de jogadores que estavam vivendo grande momento e sequer foram lembrados;
66.   O Brasil jogou pouco na estreia contra a Croácia, jogo que teve dois lances emblemáticos da arbitragem favorecendo o Brasil. O pênalti obsceno marcado pelo árbitro nipônico quando Fred se jogou na área e a falta mal marcada quando a Croácia poderia ter empatado a partida. Depois não jogou nada contra o México, partida das piores do time brasileiro, que preferiu manter a arrogância e enaltecer o goleiro adversário. Contra Camarões jogamos contra o vento.
77.   Nas oitavas de final empatamos contra o Chile, time fraco, confuso e, que, em momento algum encantou alguém nesta Copa do Mundo. Ganhamos nos pênaltis e no sufoco, sem contar que levamos uma bola na trave ao final da prorrogação. Nem Oscar, nem Hulk, nem ninguém jogou futebol nesta partida novamente. Mas o treinador se recusa a admitir o fracasso de seu esquema e critica árbitros, levanta a possibilidade surreal de complô contra o país sede da Copa. Ridículo!
88.   O único fato novo na história desta Copa no Brasil foi a joelhada maldosa e sem punição que um jogador colombiano desferiu contra Neymar e o alijou das semifinais e da final.
O inusitado ficou para a semifinal quando Felipão mais uma vez entrou com o time errado, e, levou uma vexaminosa goleada que entrou para a história das Copas do Mundo diante da Alemanha. Ultrapassado, teimoso, sem condições de montar uma equipe, mas mesmo assim teve apoio de José Maria Marin e de toda imprensa brasileira.
A Seleção Brasileira virou monopólio da Rede Globo, dos patrocinadores, de uma gente sem escrúpulos e que não entendem nada de futebol. Dinheiro correndo pelos corredores da CBF manda no bom senso e na escalação do time brasileiro.
Que a humilhante derrota para a Alemanha por 7x1 sirva de exemplo e possa de uma vez por todas defenestrar o triunvirato Zagallo/Parreira/Felipão do comando das seleções futuras.
Eu já sabia! Quem me conhece sabe o por que estou escrevendo isso. Cadê os comentaristas que enalteceram um treinador que parou no tempo e cuja única conquista em 12 anos foi a duvidosa Copa das Confederações – Uma espécie de Campeonato Estadual da Copa do Mundo.

Nenhum comentário: