6 de abril de 2014

A Petrobrás e o povo são as vitimas!

“Política é a arte de conciliar os interesses
próprios, fingindo conciliar o dos outros”.
Menotti Del Picchia

A Petrobrás está em evidência neste começo de 2014, menos por sua história, por suas descobertas de bacias petrolíferas, mas muito por erros cometidos por quem deveriam zelar por seus negócios e destino.

Depois de toda euforia pela descoberta ou pela possibilidade da extração de petróleo da camada do pré-sal veio à ressaca e com ela a exposição pública de negócios realizados em Pasadena que demonstram que a empresa foi dominada por politicagem em substituição ao critério técnico em sua direção principalmente em seu Conselho de Administração.

O governo petista aparelhou algumas empresas dando a seus aliados, seus sindicalistas e também para seus membros derrotados nas urnas. Com isso as empresas deixaram de ter foco no negócio e passaram a ser palanque de negociatas e de péssimos negócios, fazendo com que perdessem credibilidade e valor acionário.

A Petrobrás tem gasto milhões com publicidade nos quatro primeiros meses deste ano, para tentar recuperar sua combalida imagem no país e fora dele principalmente. Os prejuízos são inevitáveis e começam a incomodar os acionistas.

A compra de uma Refinaria em Pasadena nos Estados Unidos é apenas a ponta do iceberg da incompetência, arrogância e total falta de critérios técnicos para administrar uma empresa que é a maior do país.

A Refinaria Pasadena (EUA) havia sido vendida em 2005 para a empresa Belga Astra Oil por U$ 42,5 milhões de dólares. Um ano depois a então presidente do conselho de administração da Petrobrás Dilma Rousseff autoriza a compra de metade da Refinaria por U$ 360 milhões. Em 2012 depois de longas discussões e processos a Petrobrás é obrigada a pagar mais U% 820 milhões à empresa belga. Sem contar que em 2007 a Petrobrás pagou U$ 85 milhões para compensar a receita da sua sócia.

Em resumo, a Petrobrás gastou a bagatela de U$ 1,3 bilhões (um bilhão e trezentos milhões de dólares), numa refinaria que valia tão somente U$ 42,5 milhões.

Para a empresa Belga Astra Oil não foi um negocio belga e sim um rentável negócio da China. Encheram os bolsos à custa da incompetência e da forma imoral com que políticos e seus paus mandados gerenciam nossas empresas, autarquias e o Estado brasileiro.

A conta do prejuízo da Petrobras pela compra da refinaria americana de Pasadena, no Texas, pode ficar ainda maior. Autoridades da região do Texas, nos Estados Unidos, cobram mais alguns milhões de dólares da refinaria na Justiça. A Refinaria de Pasadena fica numa área isenta de tributos federais e alfandegários. Mas, como compensação, esses valores têm que ser repassados ao Condado, que engloba mais de oitenta cidades da região, incluindo Pasadena e Houston, a maior cidade do Texas.

Cansei de ouvir na porta da empresa que trabalhei discursos inflamados de sindicalistas petistas pregando a honestidade, moralidade e competência do partido dos trabalhadores, que no poder nunca foi dos trabalhadores e sim, dos patrões, das negociatas, dos lobistas, dos corruptos e dos que querem se locupletar em cima do erário.

Hoje, passados quase dez anos, percebo que aquilo era apenas um discurso de tolos que jamais entenderam o que realmente estava por trás daquilo que eram obrigados a pregar à exaustão na portas de fábricas e das empresas estatais com a própria Petrobrás.

O povo brasileiro e a empresa Petrobrás não têm culpa, mas são as vitimas desta imensa corja de predadores. Uns por que votaram no PT e outros por que permitiram serem usados pelo mesmo partido. O link abaixo mostra como a empresa uso de seu poder para contornar a lei de licitações a revelia do MP:
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/04/1436864-petrobras-fecha-r-90-bi-em-contratos-sem-licitacao.shtml
  

Nenhum comentário: