22 de agosto de 2013

Um chamado ao SAMU e o monstro na linha!

“A história é uma galeria de quadros
em que há poucos originais e muitas cópias"
Tocqueville



O pobre homem cai desmaiado em plena praça em Porto Alegre, no vai e vem das pessoas apressadas alguns se compadecem e plenos de cidadania e humanidade resolvem socorrer o idoso caído no chão.

Um repórter da RBS Notícias afiliada da Rede Globo percebe o movimento e resolve tentar ajudar, ligando para o SAMU. Ligou também para a Brigada Policial e ambas não foram atender o pobre homem que agonizava no passeio público.

Mais de vinte minutos depois da primeira ligação, inconformado o repórter tenta novamente e grava para todo Brasil o diálogo que teve com o monstro, digo médico do SAMU. O diálogo é surreal, recheado de arrogância, desprezo pela vida e pela conduta ética que se espera de um profissional da medicina.

O repórter Manoel Soares diz que estava ligando há vinte minutos e nenhuma ambulância era enviada para o local. Ao que o monstro responde:

_ Claro, porque não tem ambulância. Eu já expliquei, Não tem, afirma o irresponsável pelo SAMU em Porto Alegre.

O idoso morreu ao chegar ao Hospital de Pronto Socorro, levado pela viatura da Brigada Militar do RS. O funcionário sem caráter, sem humanidade foi afastado do cargo segundo o Secretario Municipal da Saúde de Porto Alegre.

Este é só mais um caso em que juntamos a incompetência doa governantes no trato da coisa pública com a falta de capacidade de alguns profissionais a frente do serviço público.

Como pode faltar ambulâncias ao SAMU em Porto Alegre capital do Estado do Rio Grande do Sul? Onde estão os recursos? Cadê as promessas de campanha? Onde estão o Prefeito, o Governador e o Ministro da Saúde?

Como pode um funcionário pago com dinheiro do povo responder da forma como este mentecapto o fez justamente no momento em que um cidadão agonizava na rua sem chance alguma de ter um socorro digno?

O Brasil tem recursos, tem gente capacitada, mas falta o principal, gestão pública de qualidade, onde o dinheiro possa ser empregado com probidade e os recursos humanos gerenciados com foco na capacidade e na busca pelo atendimento ao cidadão da melhor forma possível.

Alguns anos atrás sobravam ambulâncias no MS e em outros Estados brasileiros, todas empoeiradas esperando o ministro da saúde da época ter tempo para fazer as entregas com pompa e circunstância. Hoje em pleno RS o médico monstro alega não haver nenhuma ambulância disponível.

Nossa saúde pública morreu, ela esteve na UTI por muito tempo, mas por falta de atendimento decente, equipamentos e medicamentos adequados ela morreu, junto com a esperança de milhões de brasileiros.

PS: Estava terminando de escrever o texto quando fico sabendo que no momento em que o repórter falava com o médico havia no SAMU seis ambulâncias paradas que poderiam ter sido despachadas para atender a emergência. Logo, faltou honestidade, ética e um minimo de humanidade ao monstro que ocupava o cargo de médico chefe da unidade do SAMU em Porto Alegre.

Nenhum comentário: