3 de novembro de 2012

Seca no agreste contrasta com discursos e planos!

Uma comissão consiste de uma reunião
de pessoas importantes que, sozinhas,
não podem fazer nada, mas que, juntas,
decidem que nada pode ser feito.
Fred Allen

Algumas cidades americanas estão sem água há quatro ou cinco dias por conta do Furacão Sandy que devastou centenas de cidades dos EUA. Aqui no Brasil mesmo sem ter a ocorrência de nenhum furacão Sandy ou Júnior, milhares de brasileiros do nordeste em 1.171 munícipios estão sem água potável há mais de um ano.

A escassez de chuvas não é a única desgraça na vida de gente tão sofrida e desassistida do nordeste do Brasil, pior do que os efeitos cruéis da seca são a inoperância, a mentira e o esquecimento completo dos governantes nas três esferas de poder (Municipal, Estadual e Federal).

Quem quiser beber água deve compra-la, quando houver caminhões pipas, quem quiser alimentar o gado tem de leva-los para regiões distantes mais de 200 quilômetros de suas terras e ainda arcar com custos impensáveis de manutenção do rebanho.

Os animais estão morrendo nos pastos, assim como morre a esperança de uma gente sofrida, que nas mãos de governos corruptos vê bilhões de reais sendo investidos em obras superfaturadas, em construções de estádios para uma Copa do Mundo e Olimpíadas enquanto não possuem água potável nem alimento à mesa para seus filhos.

Desde sempre o Sertão foi deixado de lado pelos nossos governantes, nunca um governo teve a dignidade de olhar para aquele extenso pedaço de terra que arde sob o sol forte e carece de obras de irrigação, transposição de rios, canalização e construção de açudes para minorar o sofrimento de tantos brasileiros.

Nos últimos 20 anos nada foi feito que pudesse mudar este panorama da junção dos efeitos nocivos da natureza com os efeitos da inércia e incompetência de nossos políticos. 

Alguns planos com nomes pomposos e ineptos foram lançados pelo boçal FHC, seguido depois por planos mirabolantes do venal Lula. A presidenta Dilma há dois anos no poder é a mãe do PAC - Plano de Aceleração do Crescimento, que também passa longe do problema.

Seu governo diz que liberou R$ 3,2 bilhões para ações de combate à seca, dinheiro que efetivamente os sertanejos nunca viram, pois se esta verba efetivamente tivesse sido aplicada no agreste, parte deste sofrimento não estaria ocorrendo com nossos irmãos nordestinos.

Mentiras, propagandas enganosas, desfaçatez e muita safadeza habitam o vocabulário e o modus operandi desta gente pior que o mais temível furacão que já passou por este planeta. Nenhuma tempestade tropical será um dia mais devastador que a classe política brasileira neste planeta.

Mapa mostra Estados que mais sofrem com a seca; as áreas em vermelho são as mais críticas. Fonte: Carlos Madero - Maceió

Nenhum comentário: