9 de janeiro de 2012

O tempo

"O tempo é muito lento para os que esperam,
muito rápido para os que têm medo,
muito longo para os que lamentam,
muito curto para os que festejam.
Mas, para os que amam, o tempo é eternidade"
William Shakespeare

Haverá um tempo em que no século XXI acontecerá aquilo com que alguns de nós sempre imaginamos em nossa distante infância no século passado. Mas como o século tem obviamente cem anos, e só tivemos onze anos passados até agora, resta à humanidade esperar pelo milagre nos próximos oitenta e nove anos que se seguirão.

Claro que é cedo para fazermos conjecturas, principalmente se levarmos em conta que o criador não nos deixou o legado da visão completa dos acontecimentos nem mesmo para apenas um segundo a nossa frente. O mundo se transforma com uma velocidade cada vez mais inconcebível para os padrões de ontem. E amanhã será cada vez mais difícil de supor, pois a velocidade das transformações tendem a mudá-lo mesmo antes de chegar por completo.

Mas as mudanças que estou falando passam longe do avanço tecnológico e científico. São as mudanças comportamentais da humanidade que mais interessam, pois dizem respeito à alteração de posturas com relação ao próximo, à natureza e todas as consequências de sua não preservação adequada para com a vida em nosso habitat.

A transparência completa e a verdade em todos os sentidos provocando uma mudança radical nas relações humanas é o ponto mais esperado e aguardado nesse futuro de tempo incerto. A possibilidade de olhar e entender o pensamento daquele que está ao teu lado ou seja seu interlocutor, provoca ainda hoje calafrios mas marcará com certeza a maior de todas as mudanças na humanidade em todos os tempos.

Pois não haverá avanço tecnológico que supere a alma humana quando em estado bruto, livre de subterfúgios, de representações teatrais e de mentiras tão comuns à nossa época. O homem será o senhor de sua palavra e não poderá em tempo algum disfarçar nenhum sentimento, quer seja o ódio ou o amor sublime.

A vida será mais fácil para todos e menos complexa com certeza, pois ao decifrar aquilo que está por trás do semblante humano o homem vai conseguir evoluir mil anos para cada ano vivido daí para frente.

Os entraves inerentes aos jogos lúdicos que fazemos deixarão de permear as relações humanas e as jogarão para um patamar de igualdade, sinceridade e amor completo. Visto que até o ódio seria explícito e por conseguinte transparente aos olhos de quem se odeia.

Mas enquanto essas transformações não são por Deus decretadas continuemos nossa vida de mentiras, verdades e percalços sem fim a cada novo amanhecer.

Um comentário:

LaLoar do Pantanal disse...

Meu querido Rafael Moia...: "não haverá avanço tecnológico que supere a alma humana quando em estado bruto, livre de subterfúgios, de representações teatrais e de mentiras tão comuns à nossa época." -- que leitura gostosa, deslizante..., muito bom mesmo, fazendo com que reflitamos os nossos conceitos e ideais. Parabéns! Gostei demais! um abraço de Loire